Saúde neurológica é afetada por falta de sono persistente


Dormir entre sete e oito horas por noite tem se tornado cada vez mais difícil. O uso de aparelhos eletrônicos, o excesso de atividades diárias e o trânsito na volta para casa são alguns dos fatores que prejudicam o sono dos brasileiros. E ter uma noite ruim pode trazer uma série de problemas à saúde a longo prazo, causando transtornos cognitivos — atividades relacionadas à memória, aprendizado, linguagem, cálculos — e alterações do humor, como nervosismo e irritabilidade.

— O primeiro efeito é a sonolência excessiva durante o dia e isso vai impactar na saúde como um todo — alerta a neurologista e especialista em medicina do sono Paula Vallegas, da Policlínica Granato.

A noite mal dormida prejudica o estado de vigilância e a coordenação motora, provoca falta de energia, eleva o tempo de reação, diminui os reflexos e a capacidade de tomar decisões.

— O sono se torna necessário por vários motivos: eliminar toxinas no cérebro e armazenar as informações que aprendemos durante o dia. Isso possibilita a memorização, raciocínio, criatividade e aprendizado. Ele ajuda com a saúde mental e emocional, além de auxiliar na regulação do sistema imunológico, endócrino e hormonal — complementa Julia Maselli Lima, neurologista do Grupo Prontobaby.

Soneca depois do almoço é permitida

Dormir entre 20 e 40 minutos durante o dia pode ser uma boa estratégia para recarregar as energias e continuar os as atividades que precisam ser desempenhadas.

— Em alguns países da Europa isso já é praticado. A chamada sesta é uma importante ferramenta fisiológica para melhorar e equilibrar a atividade humana — afirma Edson Issamu, neurologista na rede de hospitais São Camilo de São Paulo.

Apesar de reconhecer que uma soneca depois do almoço pode fazer bem, Paula faz uma ponderação:

— O ideal é dormir corretamente durante a noite para que de dia não sinta a necessidade de dormir.

Para quem precisa trabalhar durante a madrugada, a dica é tentar dormir o suficientemente durante o dia. Ainda assim, devem cuidar mais da saúde como um todo, praticar atividades físicas e ter uma boa alimentação.

Os especialistas ressaltam ainda que a cama interfere diretamente na qualidade do sono. O tripé suporte, pressão e conforto é fundamental, lembra Bruno Skornick, do colchão Flow.

Link original | Evelin Azevedo para Jornal Extra | 04/06/2018

Últimas notícias

Ação social de hospital pediátrico chega ao Méier

22 de novembro de 2018


“Minha filha nasceu na rua”, conta mulher que adotou bebê de mãe viciada

16 de novembro de 2018


Borderline: O que é, o que causa e sintomas do transtorno

13 de novembro de 2018


Sífilis congênita, se não tratada, pode provocar a morte de bebês

29 de outubro de 2018


Saiba quando é o momento certo para fazer o desfralde de seu filho

17 de outubro de 2018