Transtorno obsessivo compulsivo é diferente de mania; saiba as diferenças


Ato de roer a unha é apenas uma mania | Foto: Felipe Micaroni Lalli

Para um desavisado, hábitos como lavar muito as mãos ou checar repetidas vezes se fez determinada coisa podem ser vistos apenas como manias. Mas esse tipo de comportamento pode ir bem além disso e configurar um transtorno obsessivo compulsivo (TOC). Os sintomas, em geral, trazem sofrimento e limitam atividades cotidianas.

As manias não trazem necessariamente tais prejuízos. Segundo especialistas, é algo construído social ou culturalmente, um jeito, como não sair de casa sem arrumar a cama ou organizar as roupas sempre da mesma forma.

— Manias são comportamentos que se tornam habituais, mas que não incapacitam do ponto de vista psíquico ou comportamental — diz Márcia Stanzione, professora de Psicologia do Centro Universitário Celso Lisboa. — Quando o comportamento consome um tempo importante do dia ou traz desconforto, com prejuízos à vida pessoal ou profissional, pode ser considerado TOC.

Ciclo vicioso

O médico Thyago Azevedo, coordenador técnico da psiquiatria do Grupo Prontobaby, dá um exemplo de comportamento compulsivo ligado ao TOC: lavar a mão 15 vezes sempre que apertar a mão de alguém ou for ao banheiro.

— O comportamento compulsivo vem para amenizar o pensamento obsessivo. É um ciclo vicioso que se retroalimenta — pontua o médico.

Márcia ressalta ainda que o indivíduo que tem TOC sabe dos prejuízos de suas ações, mas não consegue evitar comportamentos repetitivos.

Link original | Por Jornal Extra, com colaboração de Thyago Azevedo, médico e coordenador técnico da psiquiatria | 27/08/18

Últimas notícias

Animais ‘terapeutas’ ajudam no tratamento de crianças e idosos no Rio

30 de setembro de 2018


Depressão e suicídio na adolescência são temas de palestra gratuita na Tijuca

20 de setembro de 2018


Dicas para ajudar a diminuir a cólica dos recém-nascidos

20 de setembro de 2018


Depressão e suicídio na adolescência são temas de palestra gratuita na Tijuca

19 de setembro de 2018


Só 13% dos meninos tomaram a segunda dose da vacina do HPV

19 de setembro de 2018