Só 13% dos meninos tomaram a segunda dose da vacina do HPV


De acordo com o Ministério da Saúde, apenas 13% dos meninos público alvo da campanha de vacinação contra o HPV tomaram a segunda dose da vacina. A imunização conta o vírus só está completa após o reforço, que deve ocorrer seis meses depois da primeira aplicação. A cobertura vacinal entre as meninas é de 41,8%.

— Esta é uma vacina que sofre muito preconceito por proteger as pessoas contra uma DST. Mas, a partir do momento que se inicia a vida sexual, qualquer pessoa está exposta. É preciso aproveitar, porque esta vacina é cara e está sendo oferecida gratuitamente — afirma Alberto Chebabo, infectologista e gerente médico do laboratório Lâmina.

Parte da população critica a idade das crianças que são vacinadas contra o HPV, alegando que há um incentivo para o sexo precoce por causa da proteção que as duas doses garantem. Mas, de acordo com Chebabo, esta é a melhor fase para se vacinar:

— Este é o período de melhor resposta da vacina. O ideal é que a vacinação seja feita anos antes do início da vida sexual e por isso vacinamos pré-adolescentes e adolescentes.

A principal doença causada pelo HPV é o câncer de útero (apenas nas mulheres). Mas nos homens, ela pode ser responsável por cânceres no pênis e no ânus. O principal sintoma é o aparecimento de verrugas na região genital.

— A prevenção dos meninos no início da adolescência visa a evitar a contaminação, uma vez que o vírus pode ficar latente no organismo a vida toda — diz a infectologista pediátrica Priscila Sillero, do Prontobaby.

Detalhes

Público alvo
Meninos de 11 a 14 anos são o público alvo da nova campanha. Meninas de 9 a 14 anos também devem se vacinar.

Onde se vacinar
Em qualquer unidade de saúde, como postos de saúde e clínicas da família. É preciso levar a carteirinha de vacinação.

Nova campanha
O Ministério da Saúde lançou uma nova campanha sobre a vacinação e pretende imunizar 20 milhões de adolescentes este ano.

Dados no rio
No estado do Rio, a cobertura vacinal é pior. Apenas 11,6% dos meninos tomaram a segunda dose da vacina, contra 39,8% das meninas.

Link original | Por Evelin Azevedo para Jornal Extra, com colaboração de Priscila Sillero, infectologista pediátrica | 19/09/18

Últimas notícias

Ação social de hospital pediátrico chega ao Méier

22 de novembro de 2018


“Minha filha nasceu na rua”, conta mulher que adotou bebê de mãe viciada

16 de novembro de 2018


Borderline: O que é, o que causa e sintomas do transtorno

13 de novembro de 2018


Sífilis congênita, se não tratada, pode provocar a morte de bebês

29 de outubro de 2018


Saiba quando é o momento certo para fazer o desfralde de seu filho

17 de outubro de 2018