Gengibre possui componentes que ajudam no tratamento de Alzheimer e Parkinson


O gosto picante e forte do gengibre guarda um segredo que vem sendo desvendado pela ciência: a raiz contribui com o tratamento de distúrbios neurológicos relacionados à idade, como o Alzheimer e o Parkinson.

Pesquisadores das Universidades de Gachon e de Kyung Hee, na Coreia do Sul, fizeram um estudo de revisão e observaram que compostos do gengibre são eficazes para melhorar os sintomas neurológicos e as condições patológicas dos distúrbios neurológicos relacionados à idade, modulando as moléculas sinalizadoras da morte celular.

— Algumas enzimas têm a capacidade de destruir neurônios, processo que diminui a atividade de neurotransmissores responsáveis pelo aprendizado e memória. Os componentes anti-inflamatórios do gengibre trabalham reduzindo a quantidade destas enzimas e protegendo os neurônios — explica o nutricionista Diogo Gonçalves.

O alimento pode ser consumido fresco, em conserva, seco, cristalizado ou em pó, podendo estar presente na salada, em sucos e chás, ou em receitas de pratos doces e salgados.

— O alimento é considerado seguro por não fazer mal para a maioria da população. Mas pacientes hipertensos e diabéticos devem ficar alertas e seguir as orientações médicas de consumo da raiz, já que ela auxilia na redução da pressão e glicose. O uso em excesso pode causar queimação e refluxo estomacal, irritação na boca e reações intestinais — orienta Paula Tuffy, nutricionista do grupo Prontobaby.

Fonte: Extra

Últimas notícias

Quais cuidados específicos é preciso ter com bebês e crianças contra o novo coronavírus?

26 de março de 2020


Por que isolar crianças e adultos é tão importante quanto isolar idosos

25 de março de 2020


10 principais dúvidas sobre como cuidar da saúde do seu filho em tempos de coronavírus

25 de março de 2020


Certificação ONA

24 de março de 2020


Aventuras Maternas: Ficar em casa e amenizar o caos

22 de março de 2020