Pediatra enumera técnicas que podem ajudar a lidar com choro de bebês


No Rio de Janeiro, uma mãe recebeu uma notificação do condomínio onde mora porque seus filhos gêmeos, de 2 anos, estavam chorando demais. O caso foi publicado por ela no Facebook e causou revolta nas redes sociais. Afinal, o choro é algo mais do que comum em bebês e crianças menores.

Segundo a mãe, Luciana Krull, os gêmeos Lucas e Gabriel estavam com pneumonia, otite e bronquite, por isso, as crise de choro dos meninos.

Embora algo já esperado pelos pais, o berreiro, principalmente em recém-nascidos, causa preocupação e não faltam razões que coloquem o instinto de detetive deles em ação. Mas se você acha que existe fórmula mágica na hora de distinguir o choro dos bebês, a pediatra Patrícia Rezende, do grupo Prontobaby, diz que não é bem assim.

“Descobrir a causa do choro, muitas vezes, é um trabalho de tentativa e erro. Muito bonito na teoria é achar que, pelo barulho, você consegue identificar o verdadeiro motivo, mas na prática vem o choro da fralda molhada junto com as lágrimas do sono e da fome. Bem-vindos à vida real”, comenta.

É importante levar em consideração a idade da criança. Recém-nascidos, com até três meses de vida, estão em período de exterogestação, como se fosse o quarto período gestacional, só que fora da barriga da mãe. O bebê nasce absolutamente dependente e por um determinado tempo após o parto, enquanto se desenvolve, precisa de mais apoio.

“Os primeiros 90 dias são como se a criança ainda estivesse sendo gestada. Ela se assusta com barulho e luminosidade, além de não estar acostumada a sentir calor, frio e fome. Todas essas sensações são muito novas e o choro pode ser por uma dessas causas”, explica a pediatra.

Mas o que fazer nessas horas? A pediatra listou uma série de ações que os pais de primeira viagem ou não, podem seguir. Atenção para as dicas:

Choro de aconchego

O cueiro, aquele tecido de flanela que serve para enrolar a criança, pode se tornar o seu melhor amigo. Isso porque, ao nascer, seu filho tem um reflexo primitivo e se assusta com o que está ao redor. Mantê-lo enrolado simula a sensação de afago que ele tinha na barriga da mãe e o ajuda a dormir melhor.

Choro em movimento

Lembre-se: quando ainda estava na barriga, o bebê era mantido em movimento, já que você não ficou nove meses estática. Portanto, dar uma leve ninada em seu filho pode acalmá-lo quando estiver deitado e começar a chorar.

Choro tem hora

Devemos observar o horário do choro. Se for sempre à noite, pode ser que a criança não esteja dormindo o necessário. Isso explica o cansaço no fim do dia, com o adulto com sono acumulado. O bebê pode sofrer com efeito vulcânico: como se um vulcão estivesse ali acumulando cansaço o dia todo para entrar erupção à noite. Antes de chegar a essa conclusão, é importante observar se o xixi e as fezes estão normais e se o seu o bebê está ganhando peso adequadamente, para eliminar outras causas orgânicas.

Quando eles perdem o choro

Algumas crianças podem, durante crises de choro, inspirar e prender involuntariamente a respiração, podendo até desmaiar. Apesar de rápido, o episódio é apavorante para os pais. Nesse momento, é preciso manter a calma e permanecer ao lado do filho, mantendo-o deitado, se possível. Atitudes como molhar o rosto ou pulsos do bebê, dar água ou sacudi-lo devem ser evitadas.

Quando isso acontecer, é importante que a mãe comunique ao pediatra para que ele verifique se foi realmente uma crise de perda de fôlego ou se tem algo por trás. Os pais podem tentar distrair a atenção dos pequenos para evitar novas crises.

Choro de fome

É comum ter dificuldade para alimentar seu filho nos primeiros dias, já que vocês dois ainda estão aprendendo a lidar com a amamentação. O bebê entende a fome quase como uma dor, mas, antes de abrir o berreiro, ele manda alguns sinais e é possível identificá-los. Abrir e fechar as mãos, chupar o dedo, esticar-se e aumentar os movimentos do corpo são alguns alertas que a mãe pode perceber. Se o bebê já estiver chorando, com movimentos corporais acelerados e coloração avermelhada, é aconselhável acalmá-lo antes de alimentá-lo.

Fonte: Catraca Livre

Últimas notícias

Quais cuidados específicos é preciso ter com bebês e crianças contra o novo coronavírus?

26 de março de 2020


Por que isolar crianças e adultos é tão importante quanto isolar idosos

25 de março de 2020


10 principais dúvidas sobre como cuidar da saúde do seu filho em tempos de coronavírus

25 de março de 2020


Certificação ONA

24 de março de 2020


Aventuras Maternas: Ficar em casa e amenizar o caos

22 de março de 2020