Leila, Brenda e Magno: alienação parental em “Amor de Mãe” representa grande perigo para saúde


Em ‘Amor de mãe’, uma situação específica vem chamando a atenção do público que assiste a novela das nove: Leila (Arieta Côrrea), ex-mulher de Magno (Juliano Cazarré) vem jogando pesado para reconquistar o antigo amor. E ela não se priva de usar a filha do casal, a menina Brenda (Clara Galinari), para se reaproximar do ex-marido.

Ela vive dizendo para a menina o quanto fica triste com a nova relação dele, que Betina (Isis Valverde) roubou Magno delas, que ela seria mais feliz com Magno e por aí vai.

Infelizmente, esse tipo de situação não existe apenas nas telinhas e é também muito comum na vida real. Há até um nome específico para esse quadro, que configura ao mesmo tempo um laudo médico e um crime: chama-se alienação parental.

“A alienação parental é um processo de manipulação psicológica feito com crianças com o intuito, consciente ou não, de obter algum ganho com um outro adulto relacionado. Geralmente ocorre em casos de difícil aceitação de divórcio de umas das partes. Inclusive se encaixa em uma Síndrome, Síndrome da Alienação Parental, e quando confirmada, constitui um crime, conforme o art. 2º da Lei nº 12.318/2010”, explica a psicóloga Adriana Cabana, da clínica ProntoBaby, especializada em atendimento infantil.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, a alienação parental não consiste apenas em proibir a criança de estar com a outra pessoa. Todo comportamento de uma das partes que seja capaz de induzir a criança a se afastar da outra parte pode ser considerada alienação parental.

“A alienação está presente a partir do momento em que se denigre a imagem de um dos genitores para os filhos. Filhos não são culpados da separação dos pais e não devem ser incluídos em discussões ou servirem de ‘escuta’ para o desabafo dos pais em relação ao outro”, alerta Adriana.

As atitudes de Leila, que tenta sempre convencer a filha de que a vida seria melhor se ela e Magno ainda estivessem juntos, podem, na realidade, acabar causando muito sofrimento para a criança, que se vê no meio daquela situação, como se estivesse em posição de resolver o conflito entre os pais.

Outro erro é falar mal do novo companheiro de um antigo parceiro para o filho. No caso da novela, Leila não cansa de fazer a caveira de Betina (Isis Valverde) para Brenda. A menina que antes adorava Betina, nos últimos capítulos já não tolera mais nem mesmo estar no mesmo ambiente que a madrasta.

“A criança ou adolescente não deve ser privado de nada que diga respeito às suas relações com os pais biológicos ou não”, explica a especialista.

O resultado das atitudes de Leila ainda são desconhecidos, mas Adriana Cabana explica que as consequências podem ser muito graves, se voltando, inclusive contra a própria Leila. Isso porque caso Brenda perceba daqui a algum tempo que a mãe a estava manipulando contra o pai, a relação das também pode ficar seriamente abalada.

“Pode haver um rompimento de laços familiares que trazem prejuízos emocionais importantes para o desenvolvimento da vida adulta. Pais precisam entender que o fato de um relacionamento marital não ter dado certo, os filhos são frutos eternos e sempre serão filhos daquele casal”, diz ela.

A comprovação desse comportamento, pode ainda, ajudar a outra parte a ganhar a guarda da criança na justiça.

“Fazer dos filhos instrumento de barganha é nocivo, cruel e criminoso. Atualmente existem profissionais qualificados para identificar casos de Alienação Parental que, dependo do grau e do estrago psicológico já causado nas crianças e/ou adolescentes, podem colaborar em processos de perda de guarda de filhos”, destaca.

Fonte: Yahoo Vida e Estilo

Últimas notícias

Quais cuidados específicos é preciso ter com bebês e crianças contra o novo coronavírus?

26 de março de 2020


Por que isolar crianças e adultos é tão importante quanto isolar idosos

25 de março de 2020


10 principais dúvidas sobre como cuidar da saúde do seu filho em tempos de coronavírus

25 de março de 2020


Certificação ONA

24 de março de 2020


Aventuras Maternas: Ficar em casa e amenizar o caos

22 de março de 2020