Abuso na adolescência: Psicóloga explica como descobrir se seu filho passa por isso


Quem tem frequentado as redes sociais ultimamente – especialmente o Twitter – deve ter reparado em um movimento que tem se tornado comum: o #exposed. Por meio desse movimento, jovens de todo o país têm denunciado assédio, importunação sexual, estupro e outros abusos a que foram submetidos e que, até então, mantinham em segredo.

A partir dessa hashtag mulheres contam ter sofrido abuso, principalmente, por professores ou pessoas de influência. Alguns casos já estão sendo investigados pela polícia e pelo Ministério Público.

Para a psicóloga do grupo Prontobaby, Talitha Nobre, é muito importante que elas façam essas denúncias, já que internalizar o assunto pode trazer consequências psicológicas futuras.

“Adolescentes que sofrem abusos podem se tornar adultos ansiosos, depressivos ou violentos”, avalia.

Mas você saberia identificar se seu filho está passando por essa situação, de acordo com o seu comportamento? Essa e outras dúvidas sobre o tema, a psicóloga esclarece a seguir.

Como saber se o jovem está passando por algum abuso psicológico ou físico? Existem atitudes que demonstrem isso?

Quando há algo errado acontecendo com a criança ou adolescente, é comum que haja uma mudança no comportamento. Diferente do adulto, a criança e o adolescente ainda não têm um repertório psíquico para lidar com algumas situações, como abuso, principalmente se ele for cometido por alguém em quem a criança deveria confiar, como pais, tios e professores. Nesses casos, a vítima pode sentir-se confusa e demorar a compreender que está sofrendo abuso. Mas alguns sintomas podem revelar que algo de errado está acontecendo, como mudança repentina no humor, comportamentos de ansiedade ou depressão, medo e embotamento.

Por que jovens vítimas de abuso evitam denunciar o agressor?

Normalmente, existe um tempo de elaboração onde o sujeito vai identificar que está sofrendo agressão. Muitas vezes isso não fica claro, principalmente quando se trata de uma agressão psicológica, por exemplo, que fazem o adolescente se sentir desprezado, humilhado e exposto. Existem muitos comportamentos que podem ser naturalizados pela sociedade, mas que caracterizam um abuso, como manter a vítima sobre constantes ameaças, gerando medo. Assim como desqualificar, comparar e expor o adolescente, todas essas são formas de violência psicológica que causam grandes danos, mas nem sempre são percebidas e identificadas como violência, fazendo com que a vítima não procure ajuda. No caso do abuso físico, pode também vir acompanhado de medo, vergonha e culpa.

Que tipo de problema um jovem que internaliza essa situação pode ter no futuro?

Todo e qualquer trauma nessa fase tem repercussões importantes na vida adulta. Adolescentes que sofrem abuso podem se tornar adultos ansiosos, depressivos ou violentos, reproduzindo muitas vezes o cenário de violência vivido no passado. Também podem se tornar excessivamente tímidos e com dificuldade de se relacionar. São inúmeras as possibilidades de transtornos na vida adulta.

Se os pais perceberem que algo está errado e que o filho pode estar sendo vítima de abuso, como proceder?

O primeiro passo é conversar com objetivo de ouvir sem julgamento. É importante que a vítima se sinta segura para poder falar. Também é importante denunciar a situação em uma delegacia especializada ou a um órgão de proteção ou ao conselho tutelar. Não deixe de procurar ajuda psicológica também para esse jovem. De uma maneira geral, é necessário que os pais estejam atentos a qualquer mudança de comportamento e que as escolas também atuem de maneira preventiva no combate à violência.

Últimas notícias

Volta às aulas: pediatra lista razões para considerar a prática não segura

10 de agosto de 2020


Pais da diversidade: como enfrentar situações de preconceito em diferentes modelos familiares

7 de agosto de 2020


8 dicas para ensinar seu filho a dormir só

4 de agosto de 2020


Rivalidade feminina e relacionamento “maternal”: o que não levar da “Barraca Do Beijo 2” para a sua vida

1 de agosto de 2020


Como o “novo normal” pode afetar o emocional das crianças com a volta às aulas

31 de julho de 2020