Bebê de 2 anos e 8 meses: entenda seu comportamento


As crianças de 2 anos e 8 meses já são mais ativas e apresentam maior interação com as pessoas, incluindo as crianças. Segundo a pediatra do Hospital Adventista Silvestre, Josineide Ramos, nessa idade elas já conversam combinando três ou mais palavras. Além disso, copiam as pessoas e seus gestos, principalmente adultos e crianças mais velhas.

Diferentemente de meses atrás, agora a criança já apresenta mais entusiasmo com a presença de outras crianças, demonstrando mais sinais de querer incluí-las em suas brincadeiras. No entanto, algumas ainda podem ter dificuldade em compartilhar os seus brinquedos.

Dessa forma, sugerir brincadeiras que possam envolver ambas as crianças sem a disputa dos brinquedos é uma boa opção. “Estimular o desenvolvimento cultural da criança através de atividades de entretenimento como: jogos de encaixe, pintura com tinta guache, brincadeiras com massinha e atividades para desenvolvimento motor, como corre”, sugere Josineide.

Patrícia Rezende, pediatra do Grupo ProntoBaby, explica que nessa fase a criança já possui mais coordenação motora e consegue correr com menos chances de cair. Não estranhe se ela resolver escalar as coisas, como os móveis por exemplo, pois a criança é naturalmente curiosa. Apenas certifique-se de que ela não corre o risco de cair, ou, no casos dos móveis, que estes não caiam sobre ela.

Nas palavras de Josineide Ramos, é fundamental que as crianças até 3 anos apreciem e valorizem a escuta e a leitura de história desde pequenas, pois serve para enriquecer o imaginário e ampliar o vocabulário.

Os cuidados com a saúde bucal já começaram, antes mesmo dos dentinhos nascerem. A recomendação é que seu filho tenha visitado um odontopediatra entre seus 6 ou 7 meses de vida. Caso ele ainda não tenha ido, é importante levá-lo para que o profissional possa te orientar a respeito da melhor maneira de cuidar da formação da dentição do seu filho.

“recomendada é o equivalente a um grão de arroz cru. Não podemos esquecer também do fio dental pelo menos uma vez ao dia”, recomenda Patrícia Rezende.

Além do dentista, as visitas ao pediatra também são importantes, mesmo que agora elas aconteçam com um intervalo maior de tempo entre uma consulta e outra. A recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria aponta que a quantidade de visitas ao pediatra depende de idade e das necessidades específicas de caso.

Para crianças a partir dos 2 anos, a consulta de rotina deve acontecer a cada três meses. Lembrando que o pediatra é o responsável por avaliar o desenvolvimento da criança, e quando for necessário, ele encaminhará para avaliação com outros especialistas.

Últimas notícias

Volta às aulas: pediatra lista razões para considerar a prática não segura

10 de agosto de 2020


Pais da diversidade: como enfrentar situações de preconceito em diferentes modelos familiares

7 de agosto de 2020


8 dicas para ensinar seu filho a dormir só

4 de agosto de 2020


Rivalidade feminina e relacionamento “maternal”: o que não levar da “Barraca Do Beijo 2” para a sua vida

1 de agosto de 2020


Como o “novo normal” pode afetar o emocional das crianças com a volta às aulas

31 de julho de 2020