Fim de ano com criança? Confira dicas para não passar susto!


Fim de ano é o momento de reunir a família e os amigos para confraternizar e se divertir, não é mesmo? Mais ou menos. Com filhos pequenos, as festas de dezembro podem transformar a vida dos pais num enorme caos.

Mas, apesar de toda a correria, sempre dá tempo de se planejar e minimizar os impactos que as festividades de fim de ano podem causar na rotina.

Para isso, reunimos algumas dicas da pediatra Patrícia Rezende e da psicóloga Taís Brito, do grupo Prontobaby, para que mamães e papais relaxem e aproveitem ao máximo o fim de ano. Confira:

Se a família for viajar de carro no fim de ano, quais os cuidados que devem ter com as crianças?

É importante manter a criança na cadeirinha em todos os momentos e levar lanches leves no carro, como frutas e água. Preparar brincadeiras que possam ser utilizadas para passar o tempo, como nomear objetos, animais e cores é uma opção para entretê-los. Se as crianças costumam enjoar nas viagens, avalie com o pediatra o uso de algumas medicações antes.

E se forem viajar de avião?

No avião é importante levar um agasalho por conta do ar-condicionado, soro para as narinas se a viagem for mais longa ou se a criança tiver propensão a ter o narizinho mais ressecado. Além disso, é importante mastigar alguma coisa na hora da decolagem e do pouso para aliviar a pressão nos ouvidos. Quando pequenas, uma dica é colocá-las para mamar nos momentos citados.

Para o Natal e Réveillon, podemos atrasar o lanche da tarde ou dar um lanche mais leve para que a criança fique com mais fome na hora da ceia?

Sim, pode dar um lanche mais leve para que a criança fique com mais fome à noite e consiga cear junto com a família. Ou a família pode fazer a ceia mais cedo, respeitando o horário da criança. Ah, é importante evitar alimentos que possuam um maior risco para os pequenos, como amendoim e embutidos.

Estender a soneca no dia 31 para que elas fiquem acordadas até mais tarde pode desregular o sono dos pequenos? 

Depende muito da criança. Muitas crianças não terão problemas em estender a soneca, outras podem ficar extremamente irritadas e não aguentarem acordadas até a hora desejada, isso pode dificultar o momento. Cabe aos pais, que conhecem mais que ninguém seus filhos, saber se isso vai ou não dar certo.

Como devemos trabalhar o psicológico das crianças para que não tenham medo na hora dos fogos?

Crianças a partir de dois anos já iniciam o processo de compreensão e verbalização, por isso, é possível explicar de forma lúdica e sutil. É importante estabelecer um diálogo com o filho, iniciando pelo momento da reunião com família e amigos, ou da viagem que será feita, e abordar a importância desse momento. Explicar que os fogos são como luzes e estrelas no céu, mas que produzem som para celebrar esses momentos.

Normalmente, o barulho que vem das ruas é insuportável para os bebês. Quais medidas os pais podem tomar para abafar um pouco o som?

Os pais podem ligar o ar condicionado, nem que seja no modo ventilação, para abafar um pouco o som, além de fechar portas e janelas. Também aconselhamos deitar com o bebê perto da hora dos fogos, isso pode ser útil para ajudar a acalmá-lo.

Famílias que passam o Ano Novo na praia ou em lugares de multidão, como devem conversar com as crianças para que elas fiquem sempre perto dos pais?

Durante a conversa, é importante explicar com clareza os riscos e orientar que o filho sempre esteja por perto. É importante também alertar ao filho que avise quando desejar ir ao banheiro ou a outro lugar para que os pais o conduzam. Além disso, definam um ponto de referência assim que chegarem ao local, em caso de perda ou desencontros. Conversar com transparência sempre será a melhor maneira de comunicação com a criança, ressaltando os riscos e alertando para os perigos. Dessa forma, ela irá assimilar e ficará mais atenta.

Últimas notícias

Volta às aulas: pediatra lista razões para considerar a prática não segura

10 de agosto de 2020


Pais da diversidade: como enfrentar situações de preconceito em diferentes modelos familiares

7 de agosto de 2020


8 dicas para ensinar seu filho a dormir só

4 de agosto de 2020


Rivalidade feminina e relacionamento “maternal”: o que não levar da “Barraca Do Beijo 2” para a sua vida

1 de agosto de 2020


Como o “novo normal” pode afetar o emocional das crianças com a volta às aulas

31 de julho de 2020