As consequências do isolamento social no desenvolvimento das crianças


“Fique em casa” é a expressão mais ouvida em tempos de coronavírus. Mas, o que essa ação pode interferir no desenvolvimento físico e emocional do seu filho?

Para a pediatra Patrícia Rezende, do grupo Prontobaby, é importante estabelecer uma rotina, já que a alta tensão em casa pode gerar estresse para crianças e adolescentes.

“A situação pode causar irritabilidade, piora da imunidade e dificuldade para dormir, além de ansiedade, depressão e queda no rendimento escolar”, cita.

Por isso, você precisa estabelecer horários fixos para a criança acordar, dormir, fazer as refeições e atividades escolares. A pediatra dá outras dicas do que fazer para minimizar os efeitos social no desenvolvimento do seu filho.

Confira a seguir: 

– O tempo de tela deve respeitar os limites estabelecidos pela Sociedade Brasileira de Pediatria. A recomendação é que crianças com menos de um ano não sejam expostas a nenhuma tela. Crianças de até cinco anos devem passar, no máximo, uma hora, seja para assistir TV ou vídeos. Os maiores de cinco anos podem, no máximo, duas horas diante da tela, por dia.

No entanto, entendemos que pelo momento difícil, é possível que o tempo de tela aumente um pouco e a mãe não consiga cumprir o que foi estabelecido, isso também é normal. O importante é ter em mente que essa não pode ser a única atividade que a criança tenha durante o dia.

– Separe mais de um horário do dia para fazer atividades físicas dentro de casa e, se possível, com a participação de pais e filhos. Estimule a criatividade: criar circuitos com travesseiros e garrafas plásticas, dançar e fazer brincadeiras antigas. Isso incentiva o convívio, além de gastar a energia que as crianças têm de sobra.

– Use a tecnologia a favor de todos. Estimule os avós a terem conversas
por videoconferência com os netos. Esses momentos de descontração podem tranquilizar as crianças ao matarem as saudades e verem que todos estão bem.

– É importante conversar sobre a situação atual, com linguagem simples e adequada a cada idade. Você pode transmitir as informações de forma tranquila e lúdica, para evitar o medo, a ansiedade e a elevação do estresse. É importante ressaltar que tudo vai passar e ficar bem.

– Mantenha uma alimentação variada e colorida para ter a sua imunidade e a dos seus filhos em dia. É muito importante que ela seja rica em zinco, selênio, antioxidantes, vitaminas C e E, ômega 3 e probióticos.

– Tire esse momento para ficar mais perto do seu filho, ele irá lembrar disso pra sempre. Leia livros, façam receitinhas juntos, brinquem, vejam filmes. Os tempos atuais são difíceis, mas tente olhar por outro lado. Construa laços sinceros de amizade com ele.

Fonte: Ver O Fato

Últimas notícias

Volta às aulas: pediatra lista razões para considerar a prática não segura

10 de agosto de 2020


Pais da diversidade: como enfrentar situações de preconceito em diferentes modelos familiares

7 de agosto de 2020


8 dicas para ensinar seu filho a dormir só

4 de agosto de 2020


Rivalidade feminina e relacionamento “maternal”: o que não levar da “Barraca Do Beijo 2” para a sua vida

1 de agosto de 2020


Como o “novo normal” pode afetar o emocional das crianças com a volta às aulas

31 de julho de 2020