Sífilis congênita, se não tratada, pode provocar a morte de bebês


O não uso de preservativos nas relações sexuais provou uma epidemia de sífilis no Brasil. De acordo com dados do Boletim Epidemiológico 2017 sobre a doença, foram registados 87.593 de sífilis adquirida, 37.436 casos de sífilis em gestantes e 20.474 casos de sífilis congênita (quando a doença passa da mãe para o bebê) em 2016. O Rio lidera o ranking nacional nas taxas de mortes de menores de 1 ano de idade por causa de sífilis congênita (18,1 óbitos a cada 100 mil nascidos vivo) e fica em segundo lugar nas taxas de sífilis congênita (11,8 casos em mil nascidos vivos).

— Para evitar que a sífilis afete o bebê, o indicado é que as gestantes realizem um pré-natal adequado, que inclui três exames para sífilis: um no início da gestação, um no terceiro trimestre e outro logo antes do parto. Parceiros de grávidas e mulheres que estão tentando engravidar também devem realizar o exame — orienta Maria Elisa Noriler, ginecologista e obstetra.

A sífilis é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum que pode ser transmitida em qualquer relação sexual sem proteção. Ela é classificada em quatro estágios, de acordo com o tempo de infecção: primária, secundária, latente e terciária. A forma congênita pode trazer graves problemas às crianças, principalmente quando não diagnosticadas durante a gestação ou logo após o nascimento.

— Os perigos da sífilis congênita para o bebê são enormes. Desde alterações que podem se apresentar mais precocemente, como nascimento prematuro, baixo peso ao nascer, lesões na pele e problemas respiratórios, até riscos numa forma mais tardia, como alterações de face e ósseas, surdez neurológica, déficit cognitivo, entre outros — alerta Guilherme Sargentelli, pediatra do Grupo Prontobaby.

Tratamento é simples e de curta duração

Tanto a sífilis adquirida quando a congênita têm cura. O tratamento é rápido, feito com penicilina injetável.

— As doses e duração do tratamento variam de acordo com o risco de infecção do bebê, sendo que o tratamento mais longo dura até 14 dias — afirma Helio Magarinos Torres Filho, diretor médico do Richet Medicina e Diagnóstico e membro da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica.

Procurada pelo EXTRA, a Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria estadual de Saúde informou que “diante do aumento do número de casos no estado, a Secretaria (…) intensificou ações junto aos municípios. Entre as medidas, disponibiliza teste rápido gratuito para diagnóstico da doença em todas as cidades do Rio de Janeiro e, ainda, fornece, a partir de aquisição centralizada pelo Ministério da Saúde, a Penicilina Benzatina, usada para tratamento da doença” .

Nota da Secretaria estadual de Saúde na íntegra

“A Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES informa que, diante do aumento do número de casos no estado, a Secretaria está em alerta e que, por isso, intensificou ações junto aos municípios. Entre as medidas, disponibiliza teste rápido gratuito para diagnóstico da doença em todas as cidades do Rio de Janeiro e, ainda, fornece, a partir de aquisição centralizada pelo Ministério da Saúde, a Penicilina Benzatina, usada para tratamento da doença.

A SES reforça que a melhor maneira para conter o aumento de casos e se prevenir contra a sífilis é o uso regular e correto de preservativos em toda relação sexual e a realização sem interrupção do pré-natal. O diagnóstico precoce é importante para evitar que a doença se agrave, comprometendo órgãos vitais”.

Link original | Por Evelin Azevedo para Extra | 29/10/18

Últimas notícias

Residência Médica Grupo Prontobaby 2019

9 de janeiro de 2019


Ação social de hospital pediátrico chega ao Méier

22 de novembro de 2018


“Minha filha nasceu na rua”, conta mulher que adotou bebê de mãe viciada

16 de novembro de 2018


Borderline: O que é, o que causa e sintomas do transtorno

13 de novembro de 2018


Sífilis congênita, se não tratada, pode provocar a morte de bebês

29 de outubro de 2018