Especialistas dão dicas de como deixar sua casa mais segura para as crianças nas férias


As férias são o momento em que a criança quer brincar tudo aquilo que não brincou durante o ano letivo. Por ficarem mais tempo dentro de casa, elas tendem a explorar melhor todos os cômodos e, com menos supervisão dos pais, correm o risco de sofrerem algum tipo de acidente.

— Os responsáveis acreditam que no ambiente doméstico elas estejam protegidas, então, acabam por não identificar riscos em potencial e nem tomando providências para reduzi-los — afirma a pediatra e diretora médica do Prontobaby, Gina Sgorlon.

Os acidentes de todos os tipos são a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. A Ong Criança Segura estima que 90% destes acidentes poderiam ser evitados com medidas simples de proteção. De acordo com Gabriela Freitas, gerente executiva da instituição, o tipo de acidente doméstico que mais hospitaliza crianças são as quedas: tanto as de altura, quanto as de mesmo nível (corre, tropeça e cai):

— É difícil evitar as quedas, mas podemos reduzir os impactos delas. Se a criança cai e bate de cabeça em uma quina, o problema é ainda maior, por isso é importante usar protetores de quina.

Abaixo estão reunidas orientações gerais sobre como deixar a casa mais segura para as crianças.

— Elas são super curiosas, então precisamos nos precaver e adaptar a casa. O olhar atento para o que aguça a curiosidade da criança ajuda muito. Mesmo que a gente dê as dicas, cada criança é uma criança e cada casa é uma casa, então as necessidades de adaptação podem variar muito — finaliza Gabriela.

Segurança dentro e fora de casa

Salas e quartos

– Piso molhado, muito liso e tapetes soltos representam risco de quedas. Opte por pisos e tapetes antiderrapantes, ou retire itens escorregadios do ambiente.

– Faça uma vistoria detalhada no piso de toda a casa: pedaços de tacos soltos ou pisos rachados podem oferecer riscos às crianças.

– Instale portões de segurança, grades, travas e/ou redes de proteção em janelas, sacadas, mezaninos e no topo e na base de escadas. Toda área que apresente risco de queda, por menor que seja, deve ser isolada.

– Atenção a fios elétricos desencapados e tomadas elétricas: para evitar choques, use tampas, fita isolante ou mesmo móveis como barreira, para não permitir o acesso.

– Objetos pequenos como brinquedos, botões e moedas podem causar sufocações. Todos os objetos que contém partes pequenas devem ser guardados em caixas ou locais fechados, longe do alcance das crianças.

– Cortinas e persianas que possuam cordas oferecem risco real de estrangulamento. Mantenha os fios em uma altura que não seja acessível à criança fazendo um nó ou prendendo com um pregador.

– Cuidado com as quinas. Se possível, opte sempre por móveis com quinas arredondadas ou use um protetor específico, vendido em lojas de utilidades.

– Móveis (inclusive cama e sofá) devem ser sempre mantidos longe de janelas e cortinas, nunca embaixo. Eles podem ser usados para escalar.

– Retire do alcance das crianças plantas venenosas ou que tenham partes que apresentem perigo para os pequenos, como espinhos ou folhas pontiagudas.

Cozinha e Área de Serviço

– O fogão é o maior causador de acidentes na cozinha. Por isso, use as bocas de trás e mantenha todos os cabos de panelas virados para dentro.

– Guarde fósforos, isqueiros, sacos plásticos, substâncias como álcool, materiais de limpeza, objetos que quebram, talheres e facas em locais altos, ou trancados, o mais distante do alcance das crianças.

– Nunca deixe pontas de facas ou de garfos expostas. Os cabos dos talheres devem ficar para cima no escorredor de louça.

– Eletrodomésticos que não estão em uso devem permanecer fora da tomada.

– Evite colocar toalhas compridas sobre qualquer superfície. As crianças podem puxá-las e, se houver algo em cima pode cair sobre os pequenos.

– O recipiente de lixo precisa ser fechado com tampa e, se possível, não ficar em altura que a criança alcance.

– Na lavanderia, baldes e bacias devem ser mantidos vazios e guardados virados para baixo.

– Produtos de limpeza devem ser mantidos em seus recipientes originais. As embalagens de refrigerantes ou similares nunca devem ser reutilizadas para guardar produtos de limpeza, para não confundir as crianças.

Banheiros

– Procure manter a tampa da privada lacrada com dispositivo de segurança específico. Se não for possível, tenha o hábito de deixar a porta trancada.

– Jamais deixe uma criança na banheira sem supervisão, nem por alguns segundos, ou mesmo com pouca quantidade de água. E sempre esvazie o recipiente depois de usá-lo.

– Guarde utensílios e aparelhos como tesouras, lâminas, pranchas e secadores de cabelo em espaços fora do alcance das crianças ou em armários trancados.

– Tranque o compartimento de remédios, produtos de higiene pessoal, antissépticos bucais e outros produtos que apresentem perigo de intoxicação.

– Evite deixar banquinhos ou plataformas dando acesso à pia.

– Use materiais antiderrapantes no piso para evitar quedas.

Áreas externas com ou sem piscina

– Ensine seu filho a nunca entrar na piscina sem ter um adulto tomando conta. Até mesmo nas piscinas de plástico para crianças menores, com poucos centímetros de água, há risco de afogamento.

– Sempre que acabar o uso, esvazie a piscina ou cubra-a com tela protetora.

– Se estiver supervisionando crianças na piscina, não se afaste nem por poucos minutos.

– Jamais acenda a churrasqueira com crianças por perto. O fogo pode subir e acabar ferindo seu filho. Facas e espetos devem ser deixados fora do alcance da criança. Assim como o álcool.

– Ensine as crianças a jamais levarem à boca frutos e folhas de plantas. Muitos deles não são comestíveis e podem causar intoxicação e envenenamento.

– Ensine seu filho a sempre olhar para os dois lados quando for buscar uma bola ou outro brinquedo que tenha ido para o meio da rua. Eles devem esperar os carros passarem, mesmo que isso custe perder o brinquedo.

Em parquinhos e playgrounds

– Em locais não conhecidos pela família, é fundamental que as crianças brinquem sob supervisão.

– Tome cuidado especial com os brinquedos que oferecem riscos de quedas, como escorrega e trepa-trepa, ou enforcamento, como balanços.

– Para a criança brincar, tire capuz e cachecóis para evitar estrangulamento.

– Bicicletas, patins e skates devem ser usados juntamente com equipamentos de segurança: capacete, joelheiras e cotoveleiras.

No trânsito

– De acordo com a legislação brasileira, até os 10 anos as crianças devem ser transportadas no banco traseiro e usando cinto de segurança. Até os sete anos, elas deve usar cadeirinhas específicas para peso e idade.

– O airbag do passageiro pode ferir seriamente uma criança quando essa estiver sentada no banco da frente. Se for transportar uma criança em carro com esse dispositivo, lembre-se de desativá-lo.

– Em paradas para abastecer, comer, ou por outro motivo, jamais deixe a criança desacompanhada. Locais localizados à beira da estrada oferecem alto risco de atropelamento para crianças.

Fonte: Extra

Últimas notícias

Juca, o cão brasileiro que muda a vida dos mais novos

14 de julho de 2019


Férias podem ser divertidas, saudáveis e cheia de aprendizados: saiba como

14 de julho de 2019


As 10 perguntas que pediatras mais ouvem nas consultas

5 de julho de 2019


Especialistas dão dicas de como aproveitar as festas juninas com moderação

23 de junho de 2019


15 dicas para evitar alergias respiratórias

22 de junho de 2019