Cerca de 10% dos adolescentes podem transmitir meningite sem estar doentes


A meningite meningocócica, causada pela bactéria Neisseria meningitidis — popularmente conhecida como Meningococo — assusta por sua alta taxa de mortalidade: cerca de 20% dos pacientes não conseguem sucesso no tratamento. De acordo com Centro de Informação em Saúde para Viajantes (Cives-UFRJ), em torno de 10% dos adolescentes e adultos são portadores assintomáticos da bactéria, que fica instalada na garganta. Assim, esse grupo não desenvolve a doença, mas tem capacidade de transmitir a bactéria, por meio de gotículas e secreções do nariz e da garganta.

— Não sabemos o que faz uma pessoa carregar a bactéria e não desenvolver a doença. De modo geral, pessoas que tenham algum problema nas vias respiratórias ou baixa imunidade nesta área acabam estão mais sujeitas — afirma Luciana Silveira, gerente médica da Sanofi Pasteur.

De acordo com o Ministério da Saúde, os tipos de meningite mais comuns são as virais e as bacterianas — esta última merece grande atenção por conta da gravidade. A doença é caracterizada pela inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Apesar de a doença poder afetar pessoas com qualquer idade, o maior risco de adoecimento está entre as crianças menores de 5 anos.

— A meningite tem uma letalidade grande, além do risco de sequelas neurológicas graves, por isso a vacinação é tão importante — alerta a pediatra Priscila Mattos, gerente médica do CTI do Prontobaby.

Outra doença que pode ser causada pela mesma bactéria é a meningococcemia, um tipo de infecção generalizada, cujos sinais são manchas arroxeadas pelo corpo todo.

— Esta doença progride rapidamente e a criança morre. Quem desenvolve esta infecção não tem a meningite porque a bactéria cai na corrente sanguínea e causa inflamação dos vasos de vários órgãos de maneira rápida — explica Maria Fernanda Motta, alergista e pediatra da clínica Infanti.

Mais informações

Sintomas

Febre alta; dor de cabeça intensa; vômitos; dor na nuca; rigidez de nuca (dificuldade de encostar o queixo no peito); choro e irritabilidade em crianças pequenas

Diagnóstico

É feito por meio de coletas de amostras de sangue e líquido cerebroespinhal (líquor). O laboratório então testa as amostras para detectar o agente que está causando a infecção, o que é fundamental para o tratamento

Tratamento

No caso das meningites bacterianas, o tratamento é feito com antibióticos

Prevenção

A melhor forma de se prevenir da meningite é através da vacinação.

Pelo SUS: Pneumocócica 10 valente (aos 2, 4 e 12 meses); Meningocócica C (aos 3, 5 e 12 meses, com reforço entre os 11 e 14 anos); Pentavalente (aos 2, 4 e 6 meses)

Na rede privada: Meningocócica A,C,W,Y conjugadas (aos 3, 5 e 12 meses); Meningocócica B (aos 3, 5, 7 e 12 meses). Cada dose destas vacinas varia entre R$ 350 e R$ 700

Últimas notícias

Quais cuidados específicos é preciso ter com bebês e crianças contra o novo coronavírus?

26 de março de 2020


Por que isolar crianças e adultos é tão importante quanto isolar idosos

25 de março de 2020


10 principais dúvidas sobre como cuidar da saúde do seu filho em tempos de coronavírus

25 de março de 2020


Certificação ONA

24 de março de 2020


Aventuras Maternas: Ficar em casa e amenizar o caos

22 de março de 2020