Claudia Leitte mostra ordenha durante a mamada: quando fazer e quais os benefícios


Após o nascimento de Bela, Claudia Leitte vem dividindo o dia a dia com a recém-nascida em suas redes sociais e chamou atenção ao compartilhar um pouco de como tem sido o aleitamento da bebê.

Em uma foto publicada no Stories do Instagram, a cantora apareceu dando o peito à filha enquanto realizava a ordenha com bombinha de leite na outra mama. Além da curiosidade, a foto gerou dúvida: será que todas as mamães precisam tirar leite durante a amamentação?Veja:

Claudia Leitte tira leite enquanto amamenta Bela

A foto singela publicada no Instagram revela um momento especial entre mãe e filha. Bela é a terceira filha da cantora, fruto do casamento com o empresário Márcio Pedreira. Enquanto a menina pega uma das mamas de Claudia Leitte, a cantora aproveita a mama “livre” para ordenha com ajuda de uma bombinha.

O clique chamou atenção e acabou levantando dúvidas sobre a prática de ordenha de leite durante a amamentação, mesma técnica usada por Sabrina Sato para garantir o leite materno para Zoe no Carnaval. Será que todas as mulheres que amamentam precisam ordenhar o leite? É saudável que isso aconteça durante o aleitamento?

De acordo com a médica Patricia Rezende, pediatra do grupo Prontobaby, existem benefícios na ordenha junto com a amamentação, entretanto, nem todas as mamães precisam realizar o procedimento.

Ordenha de leite materno

As cobranças em relação à maternidade começam ainda antes do nascimento do bebê e perduram a vida toda da mulher. Tais exigências acontecem ainda no puerpério e, muitas vezes, têm a ver com a amamentação. Pressionadas, muitas mães acabam se cobrando demasiadamente em relação à produção de leite e acabam usando a ordenha manual ou elétrica para aumentar a produção de leite.

Contudo, muitas vezes essas mulheres acabam investindo um esforço desnecessário ao praticar a ordenha do leite, pois a prática é dispensável em diversos casos.

“Se a criança está ganhando peso adequadamente e a mulher não está para voltar ao trabalho, não tem por que ordenhar o leite… A não ser que ela esteja, por exemplo, fazendo doação de leite”, explica a médica.

Todavia, até mesmo as mulheres que têm como intenção realizar a doação de leite materno devem se atentar a alguns detalhes particulares, para evitar uma superprodução de leite, que pode acarretar em outros problemas.

Já que o seio materno funciona como uma espécie de “fábrica”, na qual o aumento na retirada de leite é proporcional ao aumento da produção, é preciso observar de perto a quantidade de leite produzida para evitar problemas de saúde.

“A vantagem [de fazer ordenha] seria ter uma maior produção, mas esse aumento, em alguns casos, pode ser desvantajoso. Existem mulheres que produzem hiperlactação, que é a produção excessiva de leite, e que, as vezes, pode ter um reflexo de ejeção tão forte [o leite sair como um jato bem forte] que a criança pode engasgar”, explica a especialista.

Estimular excessivamente a produção e ter muito leite materno pode acarretar também em problemas para a mulher. A ordenha excessiva pode, por exemplo, causar assaduras nos seios.

“Se essa mulher tiver produzindo um excesso de leite e não tiver tirando tudo, ela pode desenvolver um ingurgitamento mamário[acúmulo de leite nas mamas], levando até a uma mastite, que é uma infecção que geralmente causa dor e desconforto nos peitos”, explica.

Entre as mulheres que precisam estocar o leite materno pela necessidade de voltar aos compromissos de trabalho, ou precisam aumentar a produção de leite,fazer a ordenha no momento exato em que amamenta é uma prática benéfica. Nesse momento, existe uma maior liberação do “hormônio do amor”, a ocitocina, que ajuda na contração do útero no momento do parto e também na produção do leite da mãe.

“A mulher não precisa ordenhar enquanto amamenta, mas se ela fizer isso vai conseguir ordenhar uma maior quantidade de leite. Isso porque o reflexo de ejeção do leite é estimulado pela ocitocina. Então, ter a criança ao seio materno, o cheiro da criança, o toque, o calor… estimulam essa descida do leite”, explica Patricia.

Cuidados ao fazer ordenha do leite materno

As mamães que precisam estocar leite materno devem atentar-se a algumas instruções para que o congelamento do leite aconteça de maneira segura. É necessário saber que o leite após congelado deve ser consumido dentro do período de 2 a 3 meses, entretanto, o leite que será encaminhado para doação precisa chegar aos bancos de leite em até dez dias após a coleta.

De acordo com Patricia, outros cuidados também precisam ser tomados, como a higienização da mão e da mama, além de ter sempre um recipiente de vidro com fechamento de plástico totalmente esterilizados para o armazenamento.

“Também é importante escolher um lugar calmo onde a mulher possa, sem pressa, realizar a ordenha, seja manual ou com auxílio de bombas. Esse leite deve ser congelado imediatamente. Caso a mulher não complete o vidro de primeira, ela pode colocar mais leite, mas a data de validade continua sendo a do primeiro leite colocado”, ensina.

Já na geladeira para descongelar, o leite dura de 12 a 24 horas, após esse período precisa ser descartado. É importante lembrar que o alimento não pode ser congelado novamente.

“Para descongelar o leite, a mulher deve fazer banho-maria e é importante ressaltar que o leite que não foi usado não deve ser esquentado novamente, tem que ser descartado. O ideal é que ela congele pequenas porções que a criança vá consumir”, fala.

Por último, algumas doenças maternas – como mulheres portadoras do vírus HIV – e o uso de alguns medicamentos impossibilitam a amamentação. Em caso de dúvidas, existem sites que disponibilizam uma lista completa de medicamentos proibidos na amamentação.

Fonte: Vix

Últimas notícias

Quais cuidados específicos é preciso ter com bebês e crianças contra o novo coronavírus?

26 de março de 2020


Por que isolar crianças e adultos é tão importante quanto isolar idosos

25 de março de 2020


10 principais dúvidas sobre como cuidar da saúde do seu filho em tempos de coronavírus

25 de março de 2020


Certificação ONA

24 de março de 2020


Aventuras Maternas: Ficar em casa e amenizar o caos

22 de março de 2020