Aplicativos para celular ajudam cegos com tarefas e desafios do dia a dia


A vida do cantor e compositor Marcelo Lemmer, de 47 anos, mudou completamente em 2013, quando ele começou a usar a tecnologia a seu favor. Cego desde os 5 anos de idade, o músico usa aplicativos de celular para ganhar mais autonomia em seu dia a dia. Com o smartphone na mão, por exemplo, ele consegue conversar com alguém nas redes sociais e até a pagar contas de casa. O EXTRA listou alguns aplicativos que ajudam Marcelo e outros deficientes visuais a viverem melhor.

— Hoje eu tenho controle quase que total sobre as minhas coisas. Posso ler uma postagem nas redes sociais de forma independente, posso entrar na minha conta bancária e fazer uma movimentação sem ter que pedir ajuda para ninguém. Sem a tecnologia, não sei como viveria — afirma Marcelo.

A médica Andrea Zin, membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, aprova o uso de apps por pessoas cegas.

— Hoje em dia a vida está muito mais fácil com a disponibilidade dos aplicativos eletrônicos.

A facilidade que os adultos têm com a tecnologia também pode ser usufruída pelas crianças deficientes.

— É papel dos pais buscar proporcionar uma infância saudável e feliz para seus filhos. Esses apps devem ser ferramentas aliadas para alcançar este objetivo. Por isso, se informar antes de oferecê-los ao filho e acompanhar a criança durante o uso destes aplicativos é fundamental — aponta a pediatra Lílian Cristina Moreira.

Mas, por estar em fase de formação, não é bom deixar as crianças superconectadas.

— Devemos lembrar que elas não devem ficar muito tempo expostas à tela — alerta Patricia Rezende, pediatra do grupo Prontobaby.

Apps que ajudam a incluir

Últimas notícias

Volta às aulas: pediatra lista razões para considerar a prática não segura

10 de agosto de 2020


Pais da diversidade: como enfrentar situações de preconceito em diferentes modelos familiares

7 de agosto de 2020


8 dicas para ensinar seu filho a dormir só

4 de agosto de 2020


Rivalidade feminina e relacionamento “maternal”: o que não levar da “Barraca Do Beijo 2” para a sua vida

1 de agosto de 2020


Como o “novo normal” pode afetar o emocional das crianças com a volta às aulas

31 de julho de 2020